Inclusao no Turismo (Portuguese)

| 0 Comments

Ta falado, Dadá!

"Se não tem banheiro adaptado, a pessoa pode fazer pára-quedismo, mas não vai ao banheiro"

Limitação não impede esportes radicais

Pode-se fazer surfe, rafting e pára-quedismo; procura por esse tipo de turismo, no entanto, ainda é fraca

RAFAEL TARGINO
VERENA FORNETTI
Colaboração para a Folha

O tetraplégico Ricardo Shimosakai faz rafting e pára-quedismo. A publicitária argentina Nélida Barbeito, que tem uma deficiência que compromete o equilíbrio, esquiou no Colorado, nos EUA. E Silvio Batagini, que teve uma das pernas amputada, pratica escalada.

Tanto quanto com o próprio entusiasmo, esses viajantes tiveram que contar com pacotes turísticos e com destinos ajustados às suas limitações.

"Se não tem banheiro adaptado, a pessoa pode fazer pára-quedismo, mas não vai ao banheiro", exemplifica Dadá Moreira, 41, sobre a infra-estrutura para a prática de esportes radicais pelos deficientes. Moreira tem ataxia, a incapacidade de coordenação dos movimentos musculares voluntários.

Os esportes radicais e o ecoturismo não têm regulamentação específica para atender os portadores de deficiência física, mas algumas agências de turismo começam a se adequar às necessidades desse público.

A procura ainda é pequena. A agência paulistana Freeway lançou pacotes especiais para atender os interessados em 2004. Até agora, apenas 30 pessoas procuraram o serviço. A título de comparação, nas viagens sem adaptações, a agência atende, em média, 500 pessoas por mês. Edgar Werblowsky, proprietário da Freeway, atribui o baixo movimento à falta de divulgação e afirma que algumas famílias têm medo de viajar porque não acreditam que os lugares estejam preparados para recebê-las.

A agência oferece pacotes para Ilha Anchieta (SP), Itacaré (BA), Maraú (BA), Bonito (MS), Pantanal (MS), Fernando de Noronha (PE) e Lençóis Maranhenses (MA).

Em Brotas, a 245 km de São Paulo, a agência Alaya Expedições (www.alaya.com.br) começou a treinar os monitores de esportes de aventura com equipe de fisioterapeutas e profissionais de educação física. A empresa já atendeu pessoas com deficiência visual e dificuldade de mobilidade. O objetivo é preparar todas as modalidades esportivas para atender esse público.

Em atividades como asa-delta, mergulho e rafting, dependendo das características do turista, não é preciso modificar as técnicas. Já esportes como esqui e surfe são adaptados.

A estação do Colorado em que Nélida Barbeito esquiou pela primeira vez foi a de Breckenridge Outdoor Education Center. "Cheguei com medo, mas tudo foi excepcional. Não fiz o percurso todo, mas esquiei desde o primeiro minuto", conta. Ela esquiou com protetores especiais de segurança.

Nélida também fez rafting na Patagônia, no Parque Nacional Nahuel Huapi. "Foi algo maravilhoso, a melhor oportunidade de percorrer 18 km sem andar", entusiasma-se.

O próximo destino da publicitária será Maresias, no litoral paulista, onde fará surfe adaptado .

Depois do acidente que atingiu sua perna, Silvio Batagini, 35, teve dificuldade para voltar a confiar no próprio corpo. Na primeira vez que viu uma escada rolante, teve medo de enfrentá-la. O esporte renovou sua confiança. "Fui vencendo meus medos e meus próprios preconceitos", conta.

Para Ricardo Shimosakai, 39, "às vezes, só é necessário ter boa vontade para que o deficiente pratique esportes".
Paulo Guilherme Rocha, 35, que tem distrofia dos membros superiores, cita outra vantagem das atividades: a independência. Ele foi incentivado desde pequeno a manter uma vida autônoma. "Meus pais decidiram me matricular em um colégio normal. Foi o primeiro passo para minha total independência. O segundo foi quando eu quis aprender a andar de bicicleta", afirma.

"Quando era pequeno, minha mãe dizia que eu não deveria ir longe. A primeira vez que consegui dar uma volta no quarteirão, senti uma liberdade... Foi marcante." Rocha já praticou trekking, fez mergulho e voou de asa-delta.

Lugares raramente são 100% adaptados

Leave a comment

Recent Entries

Disabled? No, Just a Bit Stiff.
The connection between Universal Design, aging, and travel continues to surface. A unique "massively multi-player future forecasting role-playing experience" designed…
Universal Design, Development, and Inclusive Tourism (Spanish)
De la revista Rèport Amèricas: Part I: Part II: Rèport Amèricas. Impresiones New Gate Media Editorial Turística, Año VI,…
Busqueda Laboral: Hotel Inclusivo en La Argentina (Spanish)
Noticas de la Argentina con una oportunidade profisional:       Está llegando... UNITE!!! Dejanos saber tu experiencia en un CV.    ¿Estudiaste…
Tools to Aid the Green Travel/Inclusive Travel Convergence
Editor's note: The following excerpt from Marcus L Endicott's blog may contain unfamiliar language but it you stick with it…
Benchmark Games: The Sydney 2000 Paralympic Games
Benchmark Games: The Sydney 2000 Paralympic GamesRichard Cashman and Simon DarcyWith a Foreword by Karen TighePublished in conjunction with…
Tanni Grey- Thompson on Travel
Dame Tanni Grey-Thompson takes the world on tour with her in the Mail Online article, "Celeb travel: Tanni Grey- Thompson…
A Proud Member of ENAT
TFA at the Best of Britain & Ireland: 28-29 March 2009
Tourism for All UK will have a stand (No 374) at this exciting new showthat invites you to explore…